Arquivos do Blog

Natureza Humana [ Texto ]

 

Em todo lugar encontramos alguém que tem certeza que nos conhece, e conhecemos alguém que de fato conhece, e no final nós só queremos alguém que nos pergunte quem somos, mesmo que já saiba a resposta.

 

 A natureza humana é assim, somos seres altamente sociaveis, ate mesmo aqueles que se auto denominam introvertidos. Eles só são assim pq a tentativa de se socializar falhou.

 

Eu não gostaria de alguém  que soubesse de tudo  a toda hora, porém eu acharia um gracinha se ele  fingisse que não sabe só pra me ouvir falar.   Ta aí  A natureza humana de novo  me diz que vc não pensa o mesmo ?? Na verdade eu não quero saber.  Outra caracteristica.

 

Somos assim,  mesmo tentando  ao máximo não ser do jeito que  a natureza nos programou,  no final só vai ser uma outra tentativa falha como a do introvertido sabe ?  Não tem jeito vc pode fingir, esconder ou fazer o que quiser, porem vc vai continuar sendo humano.

 

Felizmente, ser humano esta na moda. Só se preocupe quando vir centenas de pessoas usando mascaras verdes com grandes olhos pretos, aí está na hora de juntar ou virar um recluso. Eu sempre irei escolher virar uma reclusa, ate pq  não vou ser a única, então  podemos fazer um clube dos reclusos, que irá travar guerras contra os iguais ate conseguir o poder,  depois disso a história se repete.   Voltando ao aspecto da natureza humana, vc viu ??? eu acabei de dar outra caracteristica, HUMANOS ADORAM REPETIÇÕES  não adianta, vc pode falar que não suporta, que quando era criança tirava dos teletubies e pode falar que odeia velinhos,  mas no fundo vc é humano.

 

Humanos adoram ser o centro das atenções de um jeito bom, e ha aqueles que não ligam se for de um jeito ruim, porem temos os espertos que sabem que podem ser o centro das atenções se parecerem que não quererm ser. Entendeu ???   Mesmo que não saibam os quietinhos  querem no fundo ser o centro das atenções, e são inteligentes sabendo que por ser contido e misterioso  vai acabar conseguindo, ou   não fazem a menor ideia mas acabam descubrindo depois. Sendo assim humanos querem ser unicos.

 

Muitos humanos são movidos pela ambição de um jeito bom e ruim de novo chegamos a esse impasse a diferença de bom e ruim, ao meu ver ruim significa que prejudica outra ou outras pessoas mesmo que de agum modo ajude muitos, a ambição   fez de muitos poucos e tornou o mundo  um lugar mais sombrio, aqueles que são comandados pela própria ambição  e cegos pelos seus desejos conseguiram chegar ao poder dominaram muitos e criaram parte da história que estudamos hoje, porém cairam  de ses pedestais e viraram paginas de livros e mesmo assim não aprendemos que a ambição deve ser uma de nossas caracteristicas não a principal nem  a mais importante apenas uma delas.

 

Mas dois tópicos para a o nosso assunto principal a natureza humana  SOMOS BURROS E SOMOS MUITO AMBICIOSOS.

 

A natureza Humana é engraçada  fazemos  coisas que só nos prejudicam e só notamos isso DEPOIS que útil não é ?? E mesmo quando percebemos que só estamos nos prejudicamso nós continuamos repetindo e é assim memso pq humanos ADORAM REPETIÇÕES.

 

 Eu só falo o que penso,  no caso escrevo, e  isso que eu observei nesses curtos anos de vida que passei,  somos assim humanos  gostando ou não.
Jujupter


Anúncios

Cegos [ Poesia ]

Talvez tenha que ser assim na solidão da indiferença
no escuro  do ódio
cada ser com sua crença
nas guerras causadas por opinião
os restantes que subam no pódio
aqueles que financiam sua própria ruína
caem como estrelas  no final de sua vida

manifestações com idéias coerentes
algemas da verdade
manifestações contra a ignorância
partidos sem liberdade
palavras não ditas e rimas subentendidas
o mundo de hoje  que polui a inocência

Vencedores correm perdedores planejam a vingança
um mundo onde nada é errado
a  esperança morreu
o povo cresceu antes mesmo de nascer
tudo muito rápido
cegos como  animais de cavernas por opção
em um mundo regado de corrupção

 

Jujupter

Fantasmas da Escuridão [ Poesia ]

No silêncio da madrugada escuto o elevador
os fantasmas  da escuridão o chamam
o medo nos afugenta a verdade os afugenta

Ninguém consegue ve-los
alguns os sentem, outros  da sua existência não acreditam
a verdade obscura nos impede de acha-los

Ando na escuridão sofro com meu pesar
ninguém nunca me vê,  alguns não me conhecem,  outros não fazem questão de o fazer
perdida no mundo dos vivos  o que eu ei de ser ?

 

Jujupter

Garantia [ Texto ]

Garantia.
           O que mais queremos nessa vida é garantia,e é o que de nenhuma maneira podemos conseguir, não existe garantia, se existisse, a própria vida seria uma mentira pos não existe vida sem a possibilidade de morte, como não existe morte sem a chance de vida.
Muitas vezes  me encontro sentada  no chão do meu quarto pensando,  sempre me faço a mesma pergunta,eu tento ao maximo imaginar momentos na vida onde terei garantia de qualquer coisa, não importa o que seja e sei que por mais que eu queria é ínutil pensar que poderia ser possivel, é isso que significa  vida não ter garantia nem do amanha nem do ontem.
           Nós temos sim inflencia  sobre o amanha, e nossas ações na verdade, uma das poucas coisas que podemos controlar mesmo que em alguns momentos sejam mais espontaneas do que gostaríamos,  definem momentos  importantes mas nunca temos certeza, ou melhor garantia, de que elas serão interpretadas do jeito que nós pensamos que seriam.
Nada na vida é garantido então corra e garanta sua  humilde gota de felicidade.
Jujupter

Popular [ Texto ]

Popular

            Na confusão do mundo de hoje, o único modo de fugir dos problemas é lidar com a vida alheia e ler proporciona tanto isso, quanto uma visão exterior de vidas semelhantes.
            Como Mário Quitana disse “O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado”  não poderia estar mais certo, o livro nos possibilita de uma maneira gratificante viver toda uma vida em algumas páginas e expressar todas as emoções nela presentes.
           Talvez seja esse o segredo de uma vida sem explosões de raiva e irritação constante, ler e gastar todas as forças nessa ação. As personagens que constantemente  sofrem problemas cotidianos, do leitor, recebem ajuda e são reconfortados quando mais precisam.
            A leitura transforma o homem mais solitário em um rico dono de uma roda de amigos, todos com histórias cativantes que fazem do leitor  viciado em outras vidas esquecendo de sua própria.
              Sejam eles sem vida social, ou em perfeito equilíbrio   consigo mesmos. O leitor é rico em uma coisa que nunca se perde e de poucos jeitos se consegue, cultura.
Jujupter

Pessoas Materialistas [ Texto ]

                   Existem pessoas realmente sentimentais, que a tudo atribuem um valor, uma caneta da série favorita do irmão, uma pedra que achou com os primos, um colar que comprou com os amigos, brincos de avos que nunca conheceu, agendas que nunca foram usadas, conversas de salas de aula, adesivos compartilhados,ingressos de filmes, tudo isso, que aparentemente seria confundido com lixo, tem um valor acima do que qualquer outra coisa. Essa pessoa pode ser considerada materialista? Ela nunca teria coragem de abandonar esses itens o que faz dela uma pessoa materialista  mas eles não tem nenhum valor além do sentimental então não conta certo ?  Talvez seja um estranho álbum de fotografias, talvez objetos assim sejam suas lembranças contadas por heróis de batalhas sobreviventes a guerra contra o tempo e a deterioração. Quem sabe ?  E quem pode dizer ?
Objetos são tão fortes e poderosos quanto fotos, que muita vezes nos levam de lágrimas a sorrisos em minutos, não culpe ninguém por guardar coisas inúteis, pq ela não o culpa por ter inúmeras fotos no computador ou ter inúmeros álbuns no fundo do armário. Uma vida inteira de experiências pode ser contada por uma bússola, uma colher de sorvete pode contar várias histórias com trágicos finais amorosos. Nunca se sabe.
Talvez o problema seja sempre carregar isso, ou nunca estar pronta para uma nova aventura, um recomeço, nada na vida é continuo e mesmo se fosse coisas continuas tendem a ser chatas. Separe em caixas o passado, o presente e o futuro, experiências, fases e expectativas.
Voltando ao assunto como se diferencia um verdadeiro materialista de uma pessoa com muitas aventuras e uma alma sentimental ?

Jujupter

Escrevendo vidas [ Texto ]

Como algo tão simples tem o poder de te fazer chorar incontrolávelmente ?
Como simples palavras criam histórias cheias de esperanças e sonhos?
Uma vida inteira contada por pessoas que não as viveram com o poder te fazer acreditar, com o poder de ter dentro de si uma vontade inacreditável de continuar em sua obsessão.
Sonhos  expressados de uma maneira que até mesmo   pequenas formigas querem realiza-los.
Ah os sonhos de viver a  vida que é  contada.
Ah os sonhos   que me fazem tomar o lugar da personagem principal e fazer tudo diferente.
Mas eu tenho um poder que a aquela personagem só sonha em ter, eu vejo toda a imagem eu penso nos próximos passos e ela nem percebe  mas esta sendo jogada como Xadrez de bruxo e quem comanda seus movimentos é a fantástica autora que me emociona e me inspira a escrever esse texto.
Quantos sonhos.
Os anos passam em minutos, ela cresce com rapidez e me sinto como uma amiga de infância me sinto especial e ligada de uma forma tão surrealista  que só poderia ser irreal.
Ah a personagem principal.
Ela vive o que eu gostaria de viver…

Jujupter

Atenciosamente Michelle [ Conto ]

  Atenciosamente Michelle
                 Subitamente, não sabia mais como se ata o nó da gravata. Era como se enfrentasse uma tarefa desconhecida, com que nunca tinha tido qualquer familiaridade. Recomeçou do princípio. Uma vez outra vez _ nada. Suspirou com desanimo e olhou atento aquele pedaço de pano dependurado no seu pescoço. Vagarosamente, tentou dar a primeira volta _ e de novo parou o gesto sem sequência. Viram-se no espelho, rugas e suor na testa: a mão esquerda era a direita, a mão direita era a esquerda.
                  Seus olhos, cheios de lágrimas, encaravam sua imagem no espelho, cabelos ruivos, barba mal feita, terno amassado por estar tanto tempo escondido no armário. “As coisas dela  ainda tem o mesmo cheiro” ele pensa e as lembranças o sufocam, cada cor, cada fala, cada cheiro, o calor que vinha do sorriso dela, seus cabelos  castanhos que  debaixo do sol se tornavam dourados,  suas unhas que nunca cresciam tanto quando ela desejava…
                   Marcos  se  sentou no chão segurando seus joelhos em uma tentativa  falha de fazer a dor parar,  “um último abraço” – ele pensa – “não tive a chance de abraçá-la  uma última vez” . Estava quase na hora, e ele despertou de seus devaneios quando seu relógio apitou, desistindo da gravata ele pega as chaves de casa e do carro e não se atreve a olhar as fotos de Michelle no corredor.
                    As pessoas, de preto, se amontoavam  na igreja, numa quinta aparentemente normal,   choravam, se abraçavam e cochichavam o motivo da sua morte. Ali todos sabiam e não poupavam os comentários agressivos. “ Porque será que ela se matou ?”  uma mulher perguntava a outra, na porta da igreja “ Aposto que não aguentava mais  ele” responde com uma certa ignorância a pergunta da amiga “ Quem Marcos ? Não é possível  ela amava ele”    “ Eu soube que ele traiu a Michelle   quando  ela viajou por umas semana para o México” . Elas continuaram conversando,  parando por um minuto para prestar suas condolências a Marcos .
                    Amigos, colegas, alguns primos. Sua família sempre fora ele. “Ela finalmente vai poder perguntar a mãe porque dera como presente de casamento aquele vaso de flores feio e irregular” – o pensamento o faz se sentir melhor, mas ele logo caiu na realidade do porque todos estavam aqui.  As pessoas não a conheciam, não tão bem quanto Marcos, Michelle sempre viajava, esse era o seu trabalho, ver o mundo e escrever sobre ele, perder noites  no computador,  perder dias no avião.
                   Marcos não via porque, tantas pessoas tentavam o consolar, ninguém conseguiria, os únicos que entendiam isso eram seus amigos  que permaneciam em silencio ao seu lado. Era hora do discurso, ele não tinha ensaiado, não tinha nem mesmo escrito um, mas as palavras vinham naturalmente, assim como suas lagrimas. Ele a amava tanto, mais do que parecia ser possível,  mais do que  qualquer outra pessoa. Eles eram um só.
                 O tempo passava, sem momentos marcantes,  ele se recusava a sentir, se forçava  a continuar e esquecer.   Mas uma pergunta se pendurava em sua mente, corroendo sua racionalidade, tornando a dor mais insuportável do que já era. O dia começava e terminava, um, dois, três logo uma semana havia  passado, as coisas  tinham sido empacotadas ate mesmo as de Michelle. Tudo estava pronto, ele pretendia não voltar.
                 Em um canto do armário, bem escondido, uma caixa preta chamou a atenção de Marcos que ate então havia a ignorado.  Se sentando no chão ele estica sua mão e tira a tampa, um caderno, quase uma agenda,  na capa o nome Michelle,  trouxe memórias esmagadoras, era o diário dela. Ele não tinha forças para le-lo e o teria jogado no lixo se não tivesse visto  um marcador  no dia em que Michelle se matou. As seguintes palavras  ficaram presas em sua mente :
                Eu já marquei a consulta, não consigo mais esperar, eu não tenho a menor dúvida sobre o resultado, até Marcos notou algumas diferenças em mim. Mas o que realmente me deixa preocupada é a reação dele.
                   Logo abaixo havia o número de um consultório, e o nome de um médico. Fernando. “Não era um nome conhecida, muito menos alguém da família, era somente um médico, que talvez tivesse a resposta, que talvez soubesse  porque ela simplesmente desistiu” Marcos pensava.
                   Fora uma longa noite, seus pensamentos não  paravam em outro lugar senão aquele diário que pendia aberto na mesma página  no mesmo canto do quarto.  O número era  mas para uma  metáfora sobre sua escolha do que apenas um número e a responsabilidade de talvez ser o culpado pela morte de Michelle era demasiadamente doloroso. Mas não havia outra escolha, “desistir? Simplesmente me conformar de que ela morreu e que o motivo não importa ? Como posso fazer isso ?” Indagava Marcos.
                   Nas primeiras horas da manha, depois de conflitos, medos, choros, e um sentimento de agonia ele decide, contra o seu bom senso e sua sanidade, ligar para o médico e marcar um consulta. Marcos não falou sobre a esposa, nem perguntou sobre os pacientes recentes, não era necessário.   O Sol brilhava e o céu  azul coberto por poucas nuvens  fazia com que o trajeto se tornasse  bonito  e devia ser sobre isso que pessoas normais estariam conversando, mas  Marcos não via o céu, nem o mar, as nuvens ou o Sol, as pessoas na calçada não chamavam sua atenção e as aves  cantando não eram ouvidas.
                   O lugar era assustadoramente branco, ate mesmo para um consultório e  o cheiro era de luvas de borracha novas, não havia muitas pessoas e ele logo entrou na sala, se sentou na cadeira e por alguns minutos só esperou sua voz aparecer.
                   Ele mostrou uma foto de Michelle, falou sobre ela pela primeira vez depois da última quinta feira e segurando as lágrimas perguntou por que ela viera e mesmo já sabendo a resposta não pode  deixar de se arrepiar quando a ouviu.
                  -Me lembro dessa moça, ela sorria muito e sua reação ao sair daqui foi um tanto diferente das demais, não poderia esquecer dela.  Escute Marcos, você é o marido dela certo ? Ela precisa do seu apoio agora a gravidez psicológica pode levar a uma depressão  severa ainda mais ela não podendo ter filhos no futuro.
                    -Como doutor? Pode repetir?- Marcos não consegue segurar essas palavras e por mais que tentasse se conformar com o que o médico dizia  era impossível acreditar e mais difícil ainda pensar que ela nunca o dissera   sobre suas suspeitas da gravidez.
                     Marcos não falou sobre Michelle ter morrido e saiu pouco depois do médico entregar um folheto sobre depressão. Ao chegar em casa não pode mais  se agüentar em pé e desmoronou no chão  molhando suas roupas de lágrimas, como era difícil não te-la ali para abraça-lar, nem pedir conselhos. Uns turbilhão de lembranças cruzavam sua mente cada momento em que a teve em seus braços, agora parecia uma faca cruzando seu peito, na verdade ele desejava que fossem pois não suportaria  aquilo por muito mais tempo.
                     Uma lembrança em particular o lembrou da primeira vez que Michelle viajou a negócios, ela o entregou um livro e antes de se despedir disse que aquele livro não era só para ser lido, mas sim guardado para que toda vez que  ele o tirasse da estante se lembrasse dela.  Revirando todas as caixas ate encontrá-lo marcos é tomado por mais lágrimas e mais lágrimas ao  encarar a capa  “ Uma crença silenciosa em Anjos” e ao abri-lo em uma página aleatória.
                    Uma carta em um envelope azul  cai no chão chamando a atenção dele, que antes mesmo de respirar a abre  pensando em quando ela a colocou ali. Era uma carta de despedida, ele  foi tomado pelo fato de que ela não voltaria, essa era  a prova definitiva, mais do que isso era uma constatação de que nunca  a veria de novo.
                   Ao ler a assinatura de sua esposa, Marcos sem mais lágrimas e sem mais forças se deita no chão e passa a noite encarando aquelas duas palavras que sempre foram um consolo nas cartas que ela mandava quando estava em viagens.
Atenciosamente Michelle
Jujupter